NOTÍCIAS

Morre Paulo Roberto Buarque Carneiro , Ex-Executivo da Petrobrás.

Publicado dia 10/12/2018 às 13h35min | Atualizado dia 11/12/2018 às 05h08min
Morre na pindaíba mesmo com tanto dinheiro

O FIM DO DINHEIRO SUJO E O QUE SOBROU FOI LAMA. 

MORREU PAULO ROBERTO BUARQUE CARNEIRO

CONDENADO A 24 ANOS E 10 MESES DE PRISÃO

POR CORRUPÇÃO  "LAVA JATO"  PETROBRÁS

* Fotos de envolvidos presos.

Imagem relacionada

Deixamos de exibir a foto de Paulo Roberto Buarque Carneiro em respeito a família , pois ele morreu semana passada. 

Um esquema que beneficiou Paulo Roberto Buarque Carneiro e outras pessoas , só ele sozinho levou 1.800.000,00  dólares. Muito dinheiro , não ?

Um Bilhão e oitocentos mil dólares.

Resultado de imagem para foto do ex-executivo da petrobras envolvido na lava jato, semana passada

Paulo Roberto foi condenado pelo Juiz Vitor Barbosa Valpuesta , da 3ª Vara Federal Criminal condenou o Ex-Executivo Paulo Roberto Buarque Vieira, Paulo R A Carneiro  foi condenado a 24 anos, 10 meses e 20 dias.  Além da  além de multa de 506 salários mínimos e  perda dos bens num total aproximado de 8.498.603,73 dólares . Com a perda dos bens confiscados pela Justiça Carneiro ficou completamente arrazado , sem dinheiro e o aparecimento de uma grave doença.

Os Bens confiscados Automóveis , Apartamentos na beira da praia de Ipanema um dos pontos mais valiosos do Rio, tudo adquirido com ganhos de propina para beneficiar uma empresa Holandesa. 

Condenados por muitos crimes que cometera em parceria do Grupo Holandês SBM OFFSHORE envolvendo contratos de Navios-Plataformas nos anos de 1998 à 2002 um crime que somaram mais de 700 paginas  além de constar nnas páginas da Justiça transações com percentuais em torno de 303 bilhões de dólares na suiça que serviam para pagamentos de propinas, recebimentos e pagamentos a colaboradores. 

A exatamente um ano 17/12/2017 o Min Público deflagou em conjunto com a Polícia Federal a "OPERAÇÃO SANGUE NEGRO ", que investigava desvios de dinheiro na Petrobrás para pagamento de propina ocorridos a partir do ano de 1997 no então governo FHC. Foram 9 Mandados Judiciais sendo que 5 eram de busca e apreensão. Os mandados de prisão ocorram no Rio de Janeiro - Angra dos Reis e Curitiba.

Resultado de imagem para foto do ex-executivo da petrobras envolvido na lava jato, semana passadat

Envolvidos e presos figuraram os nomes de :

Jorge Zelada e Renato Duque, ex-diretores da Petrobras que já estavam presos, em Curitiba. Mais detidos , Paulo Roberto Buarque Carneiro, ex-executivo da Petrobrás. O quarto a ser preso foi o norte-americano Robert Zubiate, executivo da SBM Offshore, empresa holandesa, que morava nos EUA.

Carneiro nasceu em Bangu , morava em casa simples no Lins de Vasconselos / Rio/RJ e, logo após ver a cor do dinheiro a arrogância e a ganância de querer muito mais, começou a exibir fortunas , carros ,  apartametos dinheiro fácil , passeios de lancha era seu hooby.

Gostava de andar como um Bom Vivam rodeado de pessoas e personalidades gastando dinheiro que não lhe pertencia. 

Carneiro acabou na Lona , gastou tanto dinheiro e quase não sobrou nada para confiscar. Morreu quase com favores de parentes onde a propina e o dinheiro sujo não o levou a nada. 

Ao invés de felicidade, o dinheiro alheio lhe trouxe desgraça , desgraçou sua família e indignação de amigos. 

Muito arrogante parecia ter o mundo em sua volta , perdeu o cargo público não se sabe se escondeu sua fortuna e nem se sabe se ainda tem contas ocultas. Só se sabe que tubo agora é lama . 

Onde está esse dinheiro. 

Noticiário :

O Globo:

A PF prendeu em Angra o ex-funcionário da Petrobras Paulo Roberto Buarque Carneiro. Carneiro, que participava de comissões de licitação e negociação de contratos, passava informações técnicas privilegiadas para a SBM, segundo as investigações.

Entre os denunciados por participação no esquema estão os ex-funcionários da Petrobras Pedro Barusco (ex-gerente), Paulo Roberto Buarque Carneiro (ex-membro da Comissão de Licitação de navios-plataforma), Jorge Luiz Zelada (ex-diretor Internacional, preso na Operação Lava-Jato) e Renato Duque (ex-gerente de Serviços, também alvo da Lava-Jato). Ainda foram denunciados os ex-representante de vendas da SBM no Brasil Julio Faerman e Luis Eduardo Campos, além dos executivos da empresa Robert Zubiate, Didier Keller e Tony Mace.

 

CONFIRA A LISTA DOS INVESTIGADOS E OS CRIMES

Jorge Luiz Zelada: corrupção passiva, lavagem de dinheiro, evasão de divisas e associação criminosa.

Julio Faerman: corrupção ativa, lavagem de dinheiro, evasão de divisas e  associação criminosa.

Luís Eduardo Campos Barbosa: corrupção ativa, lavagem de dinheiro, evasão de divisas e associação criminosa

Pedro José Barusco Filho: corrupção passiva, lavagem de dinheiro, evasão de divisas e associação criminosa

Paulo Roberto Buarque Carneiro: corrupção passiva, lavagem de dinheiro, evasão de divisas, associação criminosa

Renato de Souza Duque: corrupção passiva, associação criminosa.

Robert Zubiate: corrupção ativa e associação criminosa.

Didier Henri Keller: corrupção ativa e associação criminosa.

Tony John Mace: corrupção ativa e associação criminosa

Bruno Yves Raymond Chabas: favorecimento pessoal

Sietze Hepkema: favorecimento pessoal

Philippe Jacqques Levy: favorecimento pessoal

Anders Mortensen: corrupção ativa

Resultado de imagem para envolvidos com paulo roberto carneiro , fotos

Tratou, na sequência, da contratação pertinente ao FPSO BRASIL, que teria sido firmado em 05/06/2001 e contemplado um prazo de 11,3 anos, a contar de 07/12/2002, tendo atuado como representante do Grupo SBM JÚLIO FAERMAN, em quadro no qual, supostamente, se teria dado restrição de competitividade previamente à firmatura da avença, por força de concessão de exíguo prazo para manifestação de interessados em consulta feita ao mercado acerca de pretendida contratação, o que teria sido destacado por relatório elaborado pela Controladoria-Geral da União, em função da auditoria especial 201407736; a situação, por diversas circunstâncias – como redação de documentos em português, apenas tendo, ao tempo, a SBM escritório em território nacional -, teria prejudicado concorrentes de nomes MODEC e BLUE WATER, e teria guardado relação com pagamentos de vantagens indevidas que teriam sido feitos, conforme a mesma mecânica anterior, por JÚLIO FAERMAN a PAULO ROBERTO BUARQUE CARNEIRO e PEDRO JOSÉ BARUSCO FILHO, conforme teria sido admitido pelos três, quando judicialmente interrogados. PEDRO JOSÉ BARUSCO FILHO teria percebido, em relação a tal contratação, pagamentos mensais de US$ 24.000,00, em um total, ao longo de onze anos, de US$ 3.168.000,00; PAULO ROBERTO BUARQUE CARNEIRO teria acordado perceber um total superior a US$ 1.900.000,00. Enfocou a contratação pertinente ao FPSO MARLIM SUL, afirmando que o contrato teria sido firmado em 03/03/2003, com prazo de dez anos, a contar de 13/05/2004 e valor, a ser pago pela PETROBRÁS, de US$ 724.656.280,02; previamente à contratação, PAULO ROBERTO BUARQUE CARNEIRO teria ocupado posição na Comissão de Licitação, encargo no qual teria participado de diversas reuniões com JÚLIO FAERMAN, tendo ainda, supostamente, participado de diversas fases decisivas da concorrência que teria desaguado na escolha, para a contratação, do Grupo SBM; após o certame e para os fins de materialização da avença, PAULO ROBERTO BUARQUE CARNEIRO teria ainda participado da Comissão de Negociação de Contrato, sendo ainda certo que teriam sido detectadas condutas indevidas, nestes encargos, de PAULO ROBERTO BUARQUE CARNEIRO, o que teria sido retratado  no relatório da auditoria especial 201407736, da lavra da Controladoria-Geral da União. Enunciou que, em correlação a tais condutas, que teriam beneficiado o Grupo SBM, JÚLIO FAERMAN teria efetuado, com a concordância de ROBERT ZUBIATE, pagamentos a PAULO ROBERTO BUARQUE CARNEIRO, sendo certo que os fluxos financeiros teriam sido admitidos nos interrogatórios de ambos; teria sido ainda apurado que JÚLIO FAERMAN não teria direcionado valores a PEDRO JOSÉ BARUSCO FILHO, em conexão a esta contratação, uma vez que este teria afirmado ao primeiro que atuaria em benefício de concorrente do Grupo SBM, de nome BW, o que teria exsurgido dos interrogatórios judiciais de ambos. Explicitou que, nesta contextura, a vantagem indevida acordada para recebimento por PAULO ROBERTO BUARQUE CARNEIRO alcançaria patamar superior a US$ 1.800.000,00, equivalente a 0,25% do preço pago pela PETROBRÁS, em relação à contratação em questão, conforme teria exsurgido do interrogatório judicial de JÚLIO FAERMAN. Enfocou, na sequência, a contratação do afretamento do FPSO CAPIXABA, cujo instrumento teria sido firmado em 25/04/2005, com prazo de dezesseis anos, a contar de 13/04/2006, prevendo valor de pagamento, pela PETROBRÁS, de US$ 1.746.455.051,90; enunciou que relatório da auditoria especial 201407736, da lavra da Controladoria-Geral da União, teria detectado diversas atuações indevidas de PAULOROBERTO BUARQUE CARNEIRO, em relação a este relacionamento contratual entre o Grupo SBM e a PETROBRÁS, em cujo âmbito teria atuado na Comissão de Licitação, participando alegadamente em diversas fases decisivas do certame, inclusive estando presente em reuniões com JÚLIO FAERMAN. Debateu que PAULO ROBERTO BUARQUE CARNEIRO teria atuado também como membro da Comissão de Negociação de Contrato, no que diz com esta contratação, e que o relatório de auditoria em questão teria detectado diversas irregularidades, dentre as quais incremento do objeto contratual, por meio de aditivos, em mais de duzentos e cinquenta por cento, ultrapassando o limite previsto na legislação, que seria de vinte e cinco por cento, conforme estaria preconizado no item 7.2, “b’’, do Decreto 2745/98, que regeria licitações e contratações da paraestatal; além disso, teria havido imprecisão no cálculo de parcela – a “taxa diária de afretamento” - das rubricas de retribuição, a compor o preço a ser pago pela PETROBRÁS ao Grupo SBM, sendo certo que, no momento em que isto se teria dado, PAULO ROBERTO BUARQUE CARNEIRO estaria sendo remunerado ilicitamente haveria cinco anos. Argumentou que os pagamentos recebidos por PAULO ROBERTO BUARQUE CARNEIRO de JÚLIO FAERMAN teriam se dado em patamar idêntico aos demais, ou seja, 0,25% do valor do preço pago pela PETROBRÁS ao Grupo SBM, e teriam obedecido à mesma mecânica anteriormente descrita, com recebimento no exterior, em contas mantidas junto a instituições financeiras e registradas em nome de pessoas jurídicas offshore; os pagamentos, feitos por JÚLIO FAERMAN, teriam contado com a aprovação de ROBERT ZUBIATE, e teriam sido admitidos pelo pagador, quando interrogado judicialmente, sendo ainda certo que, do total de vantagens indevidas que teria sido acordada – US$ 4.300.000,00 -, apenas parcela teria sido paga, pois que cada pagamento dependeria de outras etapas, desde desembolsos da PETROBRÁS ao Grupo SBM e o direcionamento de valores deste às contas controladas alegadamente por JÚLIO FAERMAN, sendo que apenas depois este remuneraria  PAULO ROBERTO BUARQUE CARNEIRO; nesta esteira, como nem todos os recebimentos teriam se dado pelo Grupo SBM e JÚLIO FAERMAN, nem todos os repasses deste último a PAULO ROBERTO BUARQUE CARNEIRO se teriam dado; tudo teria sido admitido no interrogatório de JÚLIO FAERMAN. Imagem relacionada

 PAULO ROBERTO BUARQUE CARNEIRO e PEDRO JOSÉ BARUSCO FILHO, se teriam achegado ao esquema RENATO DE SOUZA DUQUE e JORGE LUIZ ZELADA, que teriam recebido vantagens indevidas com vistas ao favorecimento do Grupo SBM, também como funcionários da PETROBRÁS, e que TONY MACE teria sucedido DIDIER KELLER no comando do grupo empresarial, e teria mantido as mesmas práticas de pagamento de vantagens indevidas, e terminou por decretar que a alegada atuação do suposto grupo criminoso teria perdurado até o ano de 2012, apresentando ainda diagramação gráfica da pretensa societas sceleris. Na sequência, rememorou os pagamentos que teriam sido feitos por JÚLIO FAERMAN e LUIS EDUARDO CAMPOS BARBOSA DA SILVA a PEDRO JOSÉ BARUSCO FILHO, PAULO ROBERTO BUARQUE CARNEIRO e JORGE LUIZ ZELADA, os quais teriam partido de contas dos dois primeiros mantidas no exterior, registradas em nome de sociedades offshores, e se direcionado a contas controladas pelos demais, também mantidas no exterior e registradas em nome de pessoas jurídicas offshore, o que teria se dado no intuito de ocultar tais fluxos financeiros, que seriam produto de infrações penais de corrupção, sendo ainda certo que  ditos fluxos estariam materializados em documentação bancária que teria sido fornecida por JÚLIO FAERMAN, LUIS EDUARDO CAMPOS BARBOSA DA SILVA e PEDRO JOSÉ BARUSCO FILHO.

PAULO ROBERTO BUARQUE CARNEIRO e JORGE LUIZ ZELADA como autores do delito de branqueamento de ativos, o que encontraria eco também nos interrogatórios judiciais dos quatro primeiros. Tratou, a seguir, da imputação de evasão de divisas; afirmou que a comprovação do ilícito em tela seria extraível da documentação bancária que teria sido adunada aos autos 0505269-66.2015.4.02.5101, 0511615-33.2015.4.02.5101 e 0042658-71.2014.4.02.5101. Expôs os saldos que teriam sido conservados, sem comunicação às autoridades monetárias nacionais, em contas bancárias mantidas junto a instituições financeiras sediadas no exterior, e registradas em nome de sociedades offshore, supostamente controladas por PEDRO JOSÉ BARUSCO FILHO, entre 2003 e 2012, a partir de valores que lhe teriam sido pagos por JÚLIO FAERMAN e LUÍS EDUARDO CAMPOS BARBOSA DA SILVA, tal como exposto quando abordados os outros supostos delitos, mormente corrupção – ativa e passiva – e lavagem de ativos, e que teriam sido repatriados, por força de acordo de colaboração premiada firmado com o Ministério Público. Foram apresentados valores que teriam sido mantidos, nas mesmas condições e sem comunicação às autoridades monetárias nacionais, por JÚLIO FAERMAN e LUÍS EDUARDO CAMPOS BARBOSA DA SILVA, entre 2003 e 2011; o mesmo foi feito em relação a PAULO ROBERTO BUARQUE CARNEIRO, quanto ao período compreendido entre 2003 e 2012, e JORGE LUIZ ZELADA, quanto ao período compreendido entre 2007 e 2012; no que diz com as contas que teriam sido controladas por este último, ressaltou que tal circunstância – o controle, resairia das oitivas de JÚLIO FAERMAN e LUÍS EDUARDO CAMPOS BARBOSA DA SILVA, bem como de determinado relatório policial


Domínio Público: G1, O Globo , R7, Conjur, Youtube , UOL, O Dia - RIONEWS 

http://www.mpf.mp.br/rj/sala-de-imprensa/docs/pr-rj/decisao-sbm

Fonte: RIONEWS , G1 , O BLOBO, RJTV - TV GLOBO, CONSULTOR JURÍDICO, CARTA CAPITAL

Mais Populares

POLICIAIS NO HELICÓPTERO ATIRAM PARA MATAR

02 de janeiro de 2019 |   9073

Fernandinho Guarabu procurado por morte de Major

27 de dezembro de 2018 |   1279

ÚLTIMAS Notícias

Momentos de Lazer no Poção - Rio de Janeiro

02 de setembro de 2019 às 07:35:53

DE MOTORISTA DE CAMINHÃO AO SUCESSO

27 de agosto de 2019 às 09:45:28



Fale Conosco

AV PADRE GUILHERME DECAMINADA , 1285 RIO DE JANEIRO
(21) 98620-9927 | (21) 98620-9927 | (21) 98694-3200
rionewsnoticias@gmail.com